Como educar sem complicar

Ouço, leio e sigo vários psicólogos que ajudam pais a educar melhor seus filhos. O compartilhamento de informações é enorme e benéfico na maioria das vezes. Tenho certeza que a divulgação de uma educação não violenta é capaz de mudar o mundo.

No entanto, vejo uma falha nesta divulgação. Muitas vezes ela confunde, pois trás informações muito genéricas. Por exemplo: agressão física. Óbvio que deve ser evitada ao extremo. Mas há diferença entre ser espancado de forma episódica , ser espancado rotineiramente e levar uma palmada raramente.

A agressão física recurrente, quando escolhida para educar, causa baixa autoestima, ensina a ser violento e não mostra outras formas de resolver problemas. Entretanto, devemos ter o cuidado de fazer especificações. Não conheço trabalho científico que mostre que levar raramente uma palmada cause danos psíquicos. Os estudos referem-se a agressão fisica recurrente e não a agressão esporádica. Não quero incentivar que se deem palmadas nas crianças. Apenas estou pedindo atenção ao receber tais informações. Tu pai e mãe é quem conhece teu interior, tuas limitações e o que tu desejas para teu filho.

Infelizmente,tenho acompanhado um processo de adoecimento parental. No qual, os pais são levados a todo momento a questionar suas ações fazendo com que se tornem inseguros.

Claro que autoquestionamento é fundamental para educar com sabedoria. Mas questionamento excessivo dificulta a tomada de decisão. Educar é um processo e é um processo trabalhoso mas não necessariamente difícil. E sentir-se culpado só atrapalha.

Sinto que é necessario mais crítica quando decidimos colocar em prática um novo modelo. Mesmo que ele pareça ótimo temos que avaliar se os benefícios propagados vão realmente nos levar ao objetivo que desejamos que é o de termos filho seguros de si, com uma autoestima adequada, capazes de cuidar de si próprios e também se deixarem cuidar, além de serem capazes de ofertar auxilio e proteção aos outros.

Por que não temos o poder de dar a felicidade a eles, apenas podemos dar-lhes os meios para alcança-la. Que são a vivência diária do amor, da confiança, da integridade moral e da espiritualidade.

Vamos descomplicar. Vamos confiar mais em nós mesmos. Temos apenas que melhorar o modelo que nossos pais nos passaram. Eles cometeram erros e você também vai cometer. Não se iluda. Leia, informe-se mas não complique.